Você está aqui

Tanzânia

(Foto: Erwan Rogard)
Tanzânia
Paises em que MSF atua

A Tanzânia acolhe mais da metade de todos os burundineses que fugiram de seu país após o início da violência em 2015. Em 2019, eles sofreram uma pressão crescente para voltar para casa.

Cerca de 167 mil burundineses permanecem na Tanzânia, apesar da crescente pressão para que eles deixem o país. No final de 2019, uma reunião da Comissão Tripartida para o Repatriamento Voluntário de Refugiados do Burundi na Tanzânia, com a presença de representantes dos governos do Burundi e da Tanzânia e da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), seus signatários, reiterou o compromisso de garantir que os retornos sejam voluntários.

A situação dos refugiados do Burundi permanece amplamente esquecida e cronicamente subfinanciada nos três campos de refugiados na região de Kigoma, no noroeste da Tanzânia. Em 2019, Médicos Sem Fronteiras (MSF) continuou a fornecer assistência médica básica e especializada em Nduta, o campo que acolhe o maior número de refugiados do Burundi. Administramos um hospital com 150 leitos e quatro postos de saúde no acampamento e organizamos atividades de promoção de saúde. Nossos serviços, que também estão disponíveis para as comunidades anfitriãs das aldeias vizinhas, incluem cuidados materno-infantis, apoio nutricional e tratamento para tuberculose, HIV e doenças não transmissíveis. Também oferecemos saúde mental e tratamos sobreviventes de violência sexual e de gênero.

As necessidades de saúde mental entre os refugiados continuam sendo uma questão-chave de preocupação devido à combinação de vários fatores, que incluem a falta de acesso a serviços básicos, medo de repatriação forçada, mobilidade limitada e poucas oportunidades de subsistência.

MSF também deu continuidade às atividades de prevenção e controle de vetores para conter a disseminação da malária, que é endêmica no acampamento.

Em 2019, MSF renovou o centro cirúrgico e a sala de esterilização no hospital distrital de Kibondo, para garantir instalações cirúrgicas adequadas para o encaminhamento de refugiados.

Mantivemos nossa capacidade de resposta a emergências. Além de responder a um surto de diarreia no campo de Nduta, apoiamos o Ministério da Saúde para controlar um surto de cólera em Dar es-Salaam e melhorar a prontidão para responder ao Ebola.

Consultas ambulatoriais
Pacientes de Malária tratados
internações de emergência
Consultas individuais de saúde mental
319.100
75.500
19.900
17.100

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar