Você está aqui

Zimbábue: sistema de saúde está exaurido pela onda mais recente de COVID-19

24/02/2021
A previsão é que os casos continuem a aumentar e as vacinas só devem chegar ao país em quantidade significativa no fim do ano
Zimbábue: sistema de saúde está exaurido pela onda mais recente de COVID-19

Foto: Caroline Gwature/MSF

Após um recente aumento do número de casos e mortes relacionados à COVID-19, o sistema de saúde já precário do Zimbábue está cedendo à pressão. Em vários locais, os profissionais de saúde trabalham sem equipamentos de proteção individual (EPI) adequados, medicamentos, equipamentos e oxigênio e, com uma escassez constante de enfermeiros e médicos, a maioria dos centros de saúde não consegue operar em plena capacidade, colocando uma pressão adicional sobre os que conseguem funcionar.

Com a continuação prevista do aumento de casos de COVID-19, medidas preventivas e preparatórias devem ser postas em prática, a fim de gerenciar a situação de forma adequada e evitar uma crise.

A escalada repentina de casos e mortes por COVID-19 em janeiro foi provavelmente resultado do aumento das viagens durante a temporada de férias de dezembro, a abertura do posto de fronteira de Beitbridge (um ponto de entrada movimentado entre o Zimbábue e a África do Sul) e a segunda onda de COVID-19 na região sul do continente africano.

No início de janeiro, o Zimbábue enfrentou um pico nos números da COVID-19, com 1.365 casos confirmados e 34 mortes registradas em um dia, de acordo com a OMS, representando o maior número registrado desde o início da pandemia. Somente no mês de janeiro, o Zimbábue registrou mais casos novos (19.521) do que em todo o ano de 2020, elevando o número total de casos confirmados para 33.388 no dia 1º de fevereiro.

“Pacientes foram recusados porque os hospitais ficaram sem capacidade para lidar com o aumento de infecções e mortes. Além disso, a equipe estava preocupada com sua própria saúde e segurança, já que não havia suprimentos adequados de EPI”, disse o coordenador de emergência de MSF no Zimbábue, Herbert Mutubuki.

Embora os casos e as mortes tenham reduzido significativamente nas últimas semanas (1.216 novos casos e 126 mortes foram registrados na primeira semana de fevereiro, de acordo com a OMS), MSF está fornecendo suporte ao Centro de Isolamento Hospitalar de Parirenyatwa, a principal unidade de referência para COVID-19 do país, em Harare, para ajudá-los a se preparar para o próximo aumento em potencial de infecções por COVID-19.

“Nosso apoio é baseado na avaliação de necessidades que realizamos e inclui o aumento da capacidade hospitalar de gestão dos casos de internação”, diz Mutubuki. “MSF tem como objetivo melhorar as medidas de prevenção e controle de infecção (IPC), melhorar o fluxo de pacientes e funcionários para atendimento ambulatorial e combater a escassez de EPI, medicamentos essenciais e suprimentos médicos. Além disso, MSF recrutou e mobilizou equipes médicas para apoiar o hospital.”

Shingairayi Mawarire, chefe de enfermagem de MSF, acredita que manter a equipe de saúde motivada é a chave para garantir o sucesso da resposta. “Baixa motivação é um grande desafio e afeta o apoio que recebemos dos profissionais de saúde do governo. Por isso, em Parirenyatwa, estamos doando alimentos para os profissionais de saúde que trabalham 'zona vermelha', de alto risco, e oferecemos treinamento adicional quando necessário”, diz ela.

Desde o início da pandemia de COVID-19 e o primeiro lockdown, o Zimbábue adotou uma abordagem multifacetada para controlar a pandemia, por meio da construção de oito pilares para melhor coordenar, comunicar e gerenciar os casos, que MSF está envolvido na implementação.

O Zimbábue, como a maioria dos países de baixa e média, provavelmente só receberá quantidades significativas de vacinas contra COVID-19 no final do ano. Portanto, medidas preventivas adicionais são urgentemente necessárias. O que o país enfrentou em janeiro deve servir como um importante alerta para as entidades governamentais que trabalham para fornecer serviços de saúde e outras partes interessadas no setor de saúde de que a COVID-19 está longe de acabar. As unidades de saúde continuam precisando desesperadamente de recursos.

Embora a resposta de MSF contra a COVID-19 no Zimbábue seja atualmente um projeto de curto prazo, MSF estenderá as medidas de apoio se necessário, dependendo da evolução da pandemia nos próximos meses.

 

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar