Você está aqui

Nova cepa da COVID-19 assola Moçambique, Essuatíni e Malaui

03/02/2021
É urgentemente necessário que as vacinas contra a COVID-19 cheguem até países africanos
Nova cepa da COVID-19 assola Moçambique, Essuatíni e Malaui

Foto: Rowan Pybus/MSF

3 fevereiro 2021 – Com a propagação da nova cepa fortemente contagiosa da COVID-19 no sul da África, profissionais de saúde em Moçambique, Essuatíni e Malaui discutem como conseguir tratar um número crescente de pacientes com muito poucas perspectivas de receberem a vacina que os proteja do vírus. A organização médica internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) apoia a distribuição equitativa de vacinas
contra a COVID-19, priorizando a proteção de profissionais de saúde na linha da frente e de pessoas com doenças graves e comorbidade em todos os países, incluindo a África.

“Estamos chocados com a distribuição desigual das vacinas para a COVID-19 que está sendo feita no mundo”, afirma a diretora de operações de MSF Christine Jamet. “Enquanto muitos países ricos começaram há quase dois meses a vacinar os seus profissionais de saúde e outros grupos, países como Essuatíni, Malaui e Moçambique, que estão enfrentando dificuldades para dar respostas a esta pandemia, não receberam ainda uma única dose para proteger as pessoas em mais elevado risco, incluindo os profissionais de saúde na linha de frente.”

Em Essuatíni, país com 1,1 milhão de habitantes, são reportados 200 novos casos todos os dias, e o número de mortes é cerca de quatro vezes superior ao verificado na primeira onda. Os profissionais de saúde também afirmam que os pacientes estão desenvolvendo formas mais graves da doença. Com a estrutura de saúde
sobrecarregada, equipes de MSF montaram tendas hospitalares de campanha no centro de saúde da cidade de Nhlangano, e reforçaram o time com mais médicos e enfermeiros para tratar pacientes de COVID-19 em estado crítico.

Em Moçambique, o número de casos é quase sete vezes maior do que no pico da primeira onda. “Profissionais de saúde estão doentes e quem continua trabalhando está exausto”, diz a chefe da missão MSF, Natalia Tamayo Antabak, cujas equipes estão ajudando a implantar medidas de controle e prevenção de contágios em centros governamentais de tratamento da COVID-19 na cidade de Maputo. O objetivo da ação é minimizar o contágio dos profissionais de saúde, que estão trabalhando na linha de frente.

No Malaui, os novos casos aumentaram exponencialmente em janeiro, com os números de infectados duplicando a cada quatro ou cinco dias. O Hospital Central Queen Elizabeth, principal centro de tratamento para a COVID-19 na cidade de Blantyre, está perto de atingir a capacidade de atendimento total para pacientes que precisam de oxigênio medicinal. Por isso, MSF mobilizou profissionais adicionais e está prestes a ativar mais uma ala, com 40 leitos, para pacientes de COVID-19.

“A prioridade neste momento é proteger profissionais na linha da frente”, afirma Marion Péchayre, coordenadora-geral de MSF no país. “Se o Malaui tivesse 40 mil doses de vacinas, poderíamos pelo menos começar a vacinar profissionais de saúde que estão nos locais mais críticos no país. Sem isso, a situação ficará insustentável muito em breve.” Até o momento, 1.298 profissionais de saúde na linha da frente, no Malaui, testaram positivo para a COVID-19 e nove morreram.

“As pessoas nos países mais pobres parecem estar no fim da fila para receber a vacina, que é crucial”, diz Jamet. “Há uma necessidade urgente de vacinação nos países da África Austral que estão lutando para dar resposta à propagação agressiva da nova cepa do vírus, que já colocou os seus sistemas de saúde  em sobrecarga.”

Enquanto Moçambique, Essuatíni e Malaui continuam sem vacinas, nações mais ricas estão recebendo estoques de vacinas com a intenção de vacinar para além dos grupos prioritários. “Seria indefensável se alguns países começassem a vacinar os seus cidadãos de baixo risco, enquanto muitos países na África ainda estão à espera para vacinar os seus primeiros profissionais de saúde na linha da frente”, afirma Jamet. “Isso vai totalmente contra as indicações da Organização Mundial de Saúde para uma distribuição equitativa. Não só prolongará a pandemia, mas também irá pôr ainda mais vidas em risco. Solicitamos aos governos, que reservaram mais doses do que as necessárias para vacinar os seus grupos de elevado risco, que compartilhem urgentemente as suas doses, de forma que outros países também possam começar a vacinação. Esta é uma pandemia global que requer um espírito de solidariedade global, se realmente temos esperança em controlá-la.”

“MSF solicita aos fabricantes de vacinas para que estes garantam a prioridade na distribuição de vacinas para países com a necessidade urgente de proteger os seus profissionais de saúde. MSF está a postos para prestar apoio logístico para as nações com elevada prioridade, que tiveram acesso negado à vacina da Pfizer/BioNTech, através do COVAX, devido à sua limitada capacidade de gestão da cadeia de refrigeração”, afirma a diretora de operações de MSF Isabelle Defourny.

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar