Você está aqui

Grécia: incêndio destrói campo de Moria e deixa 12 mil pessoas desalojadas

09/09/2020
Todos os serviços médicos para refugiados foram interrompidos, incluindo a clínica pediátrica de MSF
Grécia: incêndio destrói campo de Moria e deixa 12 mil pessoas desalojadas

Fonte: MSF

Quase 12 mil homens, mulheres e crianças foram forçados a deixar o campo de refugiados de Moria, na ilha de Lesbos, na Grécia, depois que um incêndio atingiu o local durante a noite de 8 de setembro. Embora não se acredite que o incêndio tenha causado mortes, o acampamento foi quase totalmente queimado e as pessoas agora estão nas ruas, sem ter onde ficar. MSF insiste para que as autoridades gregas e a União Europeia (EU) evacuem imediatamente as pessoas da ilha para um local seguro.

“Nossas equipes viram o fogo se espalhar por Moria a noite toda. Todo o lugar estava em chamas. Vimos um êxodo de pessoas sem direção em um inferno em chamas”, diz Marco Sandrone, coordenador de campo de MSF em Lesbos. “As crianças estavam com medo e os pais em choque. Estamos aliviados porque parece não haver vítimas e estamos trabalhando agora para atender às necessidades imediatas das pessoas.”

Todos os serviços médicos disponíveis para refugiados e requerentes de asilo foram interrompidos, incluindo os serviços da clínica pediátrica de MSF.

Quase cinco anos prendendo pessoas em condições terríveis gerou tensões e desespero. Isso só aumentou nos últimos cinco meses devido à restrição de movimentos no campo, justificada às pressas como uma medida de saúde pública em meio à pandemia de COVID-19. Após a recente confirmação de casos positivos de COVID-19 entre os residentes do campo, as crescentes restrições às pessoas tornaram a situação insuportável.

MSF tem pressionado as autoridades gregas de saúde e migração para que estabeleçam um plano de resposta à COVID-19 adequado para Moria, que conte com a colaboração das pessoas e que ofereça dignidade aos doentes e infectados.

“As autoridades gregas não implementaram tal resposta, a UE e outros Estados membros da UE se eximiram de qualquer responsabilidade e quase nada fizeram para resolver esta situação”, afirma Aurelie Ponthieu, conselheira humanitária de MSF sobre deslocamentos. “A culpada pelo incêndio é a orquestração de anos de sofrimento humano e violência produzidos pelas políticas de migração europeias e gregas. Só podemos esperar que o mesmo sistema de contenção desumana não renasça das cinzas de Moria.”

MSF pede às autoridades gregas que adotem imediatamente um plano de resposta à emergência e evacuem todas essas pessoas para um local seguro no continente ou em outros países europeus. Estamos prontos para fornecer o suporte necessário durante a resposta.

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar