Você está aqui

Camboja: adaptar e inovar para responder à COVID-19

27/07/2020
Rastreamento de contatos, treinamento da equipe e impressão 3D fazem parte das ações de MSF
Camboja: adaptar e inovar para responder à COVID-19

Foto: MSF

Assim como em outras partes do mundo, MSF precisou adaptar suas atividades no Camboja, por causa da crise causada pelo novo coronavírus. Em colaboração com o Ministério da Saúde, elaboramos diretrizes sobre prevenção e controle de infecções por COVID-19 e de atendimento clínico, rastreamos os contatos das pessoas contaminadas e treinamos mais de 300 profissionais.

No entanto, quando os primeiros casos da doença foram confirmados, interrompemos rapidamente nossos serviços regulares de cuidados de detecção e tratamento da hepatite C para diminuir os riscos de pacientes serem expostos ao vírus durante as visitas ao Hospital Municipal de Referência de Phnom Penh. As atividades foram retomadas em meados de maio, assim como na clínica de saúde primária na província de Battambang, em 1º de junho.

“O rastreamento de contatos, que a equipe ajudou a realizar, parece ter sido eficaz em quebrar agressivamente as cadeias de transmissão e limitar a propagação da doença”, diz o coordenador-geral Mickaël le Paih.

Até agora, 141 casos de COVID-19 foram confirmados no Camboja. Aproximadamente 25% deles se originaram de um grupo de turistas que viajavam pelo país em março. Uma área de atuação desafiadora fica perto da fronteira com a Tailândia. O país vizinho tem muitos casos confirmados da doença e 80 mil trabalhadores cambojanos voltaram para casa, antes que as fronteiras fossem fechadas. MSF atuou na triagem de pacientes em seis hospitais na região. Essas medidas garantiram que as pessoas com sintomas de COVID-19 fossem imediatamente separadas de outros pacientes.

Em apenas três semanas, MSF treinou médicos, enfermeiros, motoristas de ambulâncias, profissionais de limpeza e técnicos de laboratório sobre as informações científicas da doença e o correto uso de equipamentos de proteção individual em sua rotina diária de trabalho.

Restrições que viraram inovação

Como em muitos outros países, MSF enfrenta restrições quanto à importação do equipamento médico necessário para o tratamento de pacientes com COVID-19. Ideias inovadoras tiveram que ser encontradas rapidamente, principalmente para o fornecimento de oxigênio em sistemas de ventilação. Com o conhecimento crescente sobre a COVID-19, a equipe do Camboja decidiu apoiar unidades de terapia intensiva no hospital nacional de Phnom Penh, caso a demanda aumentasse repentinamente.

A equipe procurou um especialista na França, capaz de adaptar máscaras de mergulho, transformando-as em sistemas de ventilação de oxigênio para pacientes com COVID-19 e como equipamento de proteção individual para a equipe de saúde, assim como havia feito em hospitais na Itália e na Espanha.

“Apesar do baixo número de casos de COVID-19 e nenhuma morte no Camboja, a construção de pontes de conhecimento entre profissionais de saúde e parceiros, notadamente com capacidade de impressão 3D para adaptar as máscaras, continua sendo uma parte importante da preparação contra possíveis ondas de COVID-19”, diz Le Paih.

A equipe de MSF enfatiza fortemente as medidas de precaução contra a COVID-19, para proteger totalmente os profissionais de saúde e os pacientes. Isso é crucial para garantir que os pacientes continuem avançando e procurando atendimento médico em unidades de saúde dedicadas.

Faça uma doação e apoie #MSFcontraCOVID19

 

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar