Você está aqui

Ameaça da COVID-19 pressiona sistema de saúde do Quirguistão

31/07/2020
Equipes de MSF apoiam autoridades locais na triagem, diagnóstico e prevenção de doenças
Ameaça da COVID-19 pressiona sistema de saúde do Quirguistão

Foto: Maxime Fossat

À medida que surgem os casos de COVID-19 no Quirguistão, especialmente na capital Bishkek, regiões rurais e remotas estão se preparando para o vírus, ampliando medidas preventivas e, ao mesmo tempo, tentando garantir cuidados médicos essenciais, especialmente para mulheres e crianças. 

Apesar do forte sistema de saúde do país, a manutenção de serviços de qualidade fora das grandes cidades vem sofrendo nos últimos anos como consequência do enfraquecimento do investimento no setor. O país também tem uma alta incidência de doenças crônicas e uma porcentagem excepcionalmente alta de pessoas com doenças crônicas que necessitam de cuidados prolongados.

Em Kadamjay, uma região deslumbrante, porém de difícil acesso, no sudoeste do Quirguistão, ter assistência médica é desafiador, mesmo sem a ameaça da COVID-19, pois as longas distâncias podem dificultar a chegada das pessoas aos centros de saúde. Os medicamentos para crianças menores de 5 anos de idade e mulheres grávidas são gratuitos no país, mas a maioria das pessoas tem que pagar do próprio bolso, pois apenas alguns são cobertos pelo seguro de saúde. Com oportunidades limitadas de ganhar a vida e com baixa renda, muitas pessoas simplesmente não podem se dar ao luxo de receber o tratamento de que precisam.

Nos últimos quatro anos, Médicos Sem Fronteiras (MSF) presta assistência médica em Kadamjay, onde as taxas de algumas doenças crônicas estão entre as mais altas do Quirguistão. Trabalhando em estreita colaboração com o Ministério da Saúde, nossas equipes apoiam as autoridades distritais de saúde na triagem, diagnóstico e prevenção de doenças, incluindo diabetes, hipertensão e anemia, que é particularmente comum entre as crianças.

Para melhorar a triagem e o diagnóstico de uma série de doenças crônicas, é necessário investir em capacidade laboratorial. Nossas equipes renovaram e consertaram os equipamentos médicos existentes e treinaram a equipe do Ministério da Saúde no uso prático de aparelhos de diagnóstico, como ultrassons e coaguladores a frio, bem como no cumprimento das diretrizes de tratamento-padrão. Mais recentemente, MSF também tem trabalhado para reforçar os cuidados de saúde para mulheres e crianças, com ênfase na saúde sexual e reprodutiva, incluindo cuidados pré e pós-natal.

 

A ameaça iminente do coronavírus

Nos últimos dias, o número de pessoas diagnosticadas com COVID-19 aumentou acentuadamente e, até o momento, mais de 29 mil contraíram o vírus no país. A região de Kadamjay pode ter sido poupada do pior da COVID-19 por enquanto, mas a ameaça iminente levou nossas equipes a adaptar os serviços médicos existentes e a implementar medidas para impedir que a doença se espalhe pela comunidade.

As equipes de MSF já estavam realizando visitas domiciliares para algumas consultas. Mas desde o início da pandemia de coronavírus, esse procedimento e consultas remotas via WhatsApp se tornaram a norma.

“Para evitar uma alta concentração de pessoas nos centros de saúde, aumentamos as visitas domiciliares para crianças e atendimento pós-natal, especialmente para pacientes com doenças não transmissíveis, com alto risco de complicações por COVID-19”, diz Kevin Coppock, diretor de MSF no Quirguistão. "Para outras consultas de rotina, incluindo atendimento pré-natal, organizamos videochamadas no WhatsApp com os pacientes."

As equipes de MSF estão atualmente ajudando as autoridades de saúde da região a reforçar a preparação para a COVID-19 nessa área amplamente rural, oferecendo consultoria técnica, prestando assistência logística, apoiando iniciativas de promoção da saúde e auxiliando na vigilância epidemiológica por meio da coleta de dados.

MSF também está trabalhando para proteger quatro dos principais hospitais de Kadamjay, ministrando treinamento sobre prevenção e controle de infecções e fornecendo desinfetantes e equipamentos de proteção individual para a equipe de saúde. MSF também distribuiu mais de 4.500 máscaras para proteger pacientes com doenças não transmissíveis e outras complicações médicas.

Embora a maioria dos serviços essenciais de saúde de MSF continue, outros tiveram que ser suspensos para evitar a propagação da infecção. "Como o distrito de Kadamjay possui grande número de pacientes com doenças crônicas, estamos sendo extremamente cautelosos ao não expor as pessoas a riscos desnecessários", diz Coppock.

O rastreamento do câncer do colo de útero é um dos serviços a serem adaptados. A doença é uma das principais causas de morte para as mulheres no Quirguistão, mas as opções de prevenção e triagem são limitadas. Em Aydarken, MSF iniciou a triagem e a prevenção do câncer do colo do útero, incluindo o tratamento de lesões cervicais, com o objetivo de que as autoridades de saúde ampliem as atividades em todo o país. Mas isso terá que esperar. "Continuamos acompanhando a evolução do vírus, com a intenção de reiniciar as atividades assim que a situação permitir", diz Coppock.

Ao mesmo tempo, as altas taxas de infecção entre os profissionais de saúde nos pontos focais de COVID-19 no país são motivo de preocupação adicional. "Mesmo antes da pandemia, não havia profissionais médicos suficientes, especialmente em áreas remotas", diz Isamedin, epidemiologista de MSF. “Se alguns deles adoecessem, não haveria ninguém para substituí-los”.

Com os preparativos para a COVID-19 consumindo enormes recursos, as barreiras das pessoas ao acesso a serviços de saúde de qualidade estão ainda mais visíveis. E para muitas famílias nesta região, especialmente as que dependem do salário de um trabalhador migrante, o fator econômico pode impedir ainda mais o acesso à assistência médica.

"A COVID-19 deve realmente servir como um alerta para reduzir as desigualdades em saúde entre e dentro dos países", diz Coppock.

MSF trabalha no Quirguistão desde 1996, apoiando mais recentemente o Ministério da Saúde na introdução de um modelo descentralizado de atendimento a pacientes com tuberculose resistente a medicamentos (TB-DR) no distrito de Kara-Suu, província de Osh. MSF ajudou a introduzir inovadores diagnósticos e cuidados para TB-DR, incluindo tratamento por vídeo e medicamentos menos tóxicos. A assistência social e psicológica faz parte do pacote abrangente de assistência. Com a ajuda de MSF, mais de 11 mil pessoas foram testadas para TB-DR e cerca de 700 começaram o tratamento.

Faça uma doação e apoie #MSFcontraCOVID19


 

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar